Projeto cofinanciado pelo Programa LIFE
Contribuição financeira da UE 55%
LIFE20 CCA / ES / 001641

As ilhas puderam ver como desaparecem 148 das suas praias turísticas, registar deslocações forçadas de pessoas ou ver como espécies endémicas das costas perdem o seu habitat

O ano de 2050 é uma data chave em que os efeitos das alterações climáticas seriam tão evidentes que transformariam completamente as costas das Ilhas Canárias, com tudo o que isso implica. De acordo com um estudo acadêmico apresentado ao Revista de Ciências Marinhas e Engenharia pelo Instituto de Oceanografia e Mudanças Globais (IOCAG), a subida do nível do mar no Arquipélago foi de 7,94 nos últimos 27 anos, uma taxa de crescimento que permite prever que em 2050 subirá para 18,1 centímetros.

Este aumento, cuja origem se encontra no derretimento das geleiras e na expansão térmica, provocará mudanças na dinâmica costeira que afetaria tanto a economia como a vida das pessoas e espécies endêmicas das Ilhas Canárias. De acordo com o Relatório Resumido 2017-2021 de Avaliação de risco contra as alterações climáticas nas costas das Ilhas Canárias, dirigido e executado por Grafcan, cerca de 140 quilómetros de costa estão em risco devido a inundações e 148 praias podem desaparecer, o que afetaria o principal motor económico das Ilhas, o turismo, gerando perdas superiores a 4 milhões de euros por ano.

O estudo especifica que, além disso, 40.000 habitantes poderiam ser afetados, dos quais 5.000 teriam que se deslocar devido à possibilidade de o mar submergir algumas áreas costeiras. Por outro lado, essa situação colocará em xeque as espécies que habitam essas regiões e que, em muitos casos, não poderão migrar para o interior, o que poderia causar seu desaparecimento.

Neste cenário, as regiões mais emblemáticas que podem desaparecer são a cidade de Los Silos, o Farol de Maspalomas ou as gravuras rupestres de La Palma. Como atualmente é difícil reverter as consequências já evidentes das mudanças climáticas, projetos como o LIFE Garachico -um projeto cofinanciado pelo Programa LIFE em um 50% e liderado pelo Vice-Ministério de Combate às Mudanças Climáticas e Transição Ecológica- propõem testar um sistema de alerta precoce que permita à população destas zonas aprender a conviver com estes fenómenos costeiros adversos, metodologia que será posteriormente testada em Puerto de la Cruz e Praia da Vitória, nos Açores.

Participação

Notícias recentes