Projeto cofinanciado pelo Programa LIFE
Contribuição financeira da UE 55%
LIFE20 CCA / ES / 001641

Os efeitos das mudanças climáticas estão se tornando mais palpáveis e as áreas costeiras de todo o mundo começam a sentir o efeito do derretimento das calotas polares, que provoca a elevação do nível do mar. Fenómenos como a expansão do anticiclone dos Açores, que nos fará ter períodos de estiagem mais prolongados no verão e no inverno, são apenas uma das consequências que começam a ser mensuráveis.

O promotor ambiental Manuel Aguado visitou esta semana o cenário do programa Todo es Lie, da cadeia Cuatro, confirmando que o próximo mês de agosto será o "mais quente desde que temos recordes". Sobre a subida do nível do mar, o especialista salientou que três cidades espanholas vão sofrer especialmente, Santa Cruz de Tenerife, Cádiz e Barcelona, onde “temos costas e praias que estão a diminuir”, declarou.

Ao consultar outros documentos, como o Plano de Promoção do Ambiente Adapta as Costas Canárias, o PIMA, descobrimos que dos 1.500 km da costa canária, 47 troços estão em situação de risco. Em 2050, o Arquipélago poderá perder até 10,6% de superfície devido à subida do nível do mar, o que poderá significar que as praias que não estão livres de estruturas urbanas, como Las Canteras, não se adaptem a esta situação e desapareçam parcialmente. Para 2100, estas previsões são ainda piores, já que mais de 150 praias das Canárias poderão ver a sua superfície reduzida em 45,2%.

LIFE Garachico, soluções participativas para um problema real
Enquanto cidades como Miami optaram por investir colossais 400 milhões de euros para aumentar a altura das calçadas, tentando minimizar o efeito da água no ambiente urbano, outras regiões estudam como se adaptar a uma situação que parece inevitável. Neste sentido, o projeto LIFE Garachico, cofinanciado em 55% pela programa VIDA da União Europeia, actua no município de Tenerife que leva o seu nome para criar uma metodologia de acção contra a subida do nível do mar que pode posteriormente ser exportada para outros territórios da Europa e Macaronésia.

Liderado pelo Vice-Ministério de Combate às Mudanças Climáticas e Transição Ecológica do Governo das Ilhas Canárias, o projeto conta com onze parceiros que trabalham para colocar em prática, avaliar e difundir novas ideias nas quais os cidadãos participam, dirigidas às administrações locais e regionais. Os outros dois municípios onde o projeto opera são Puerto de la Cruz, também em Tenerife, e Praia de Vitória, nos Açores.

Participação

Notícias recentes